sábado, 24 de setembro de 2016

AL4... Uma transmissão automática injustiçada... Mas houve razões para que tal injustiça acontecesse.


Boa noite, amigos leitores!


A imagem acima é de uma transmissão automática AL4, mas que pode ser chamada também de AT8, DP0 e, finalmente, de DP2.
Quando é usada nos Citroen e Peugeot, ela se chama AL4 ou AT8.
Quando e usada nos Renault, chama-se DP0 ou DP2, sendo esta última uma clara evolução da primeira, e cuja utilização se estende aos Renault Duster e Duster Oroch equipados com motores 2.0 16v.
Sabem o porquê de eu querer falar dela, hoje?
Há muito, venho assistindo a um fenômeno cruel no mercado de carros usados. Marcas como Citroen e Peugeot, no que incluo a Renault também, são tratadas como lixo no mercado, com absurda desvalorização dos modelos pelas mesmas fabricados.
É um tal de consumidor comprar carro por R$ 60 mil e ter de vender por menos de R$ 30 mil, decorridos apenas dois ou três anos, que passei a pesquisar as razões do mercado de veículos usados enxergar mal, muito mal, estas marcas.
A princípio, não vi grandes razões para a elevada depreciação dos veículos.
Os projetos, no geral, são bons.
Em regra, são veículos com modernidade acima da média, se comparados às carroças que ainda infestam o mercado nacional.
Há peças no mercado de reposição já fabricadas por renomadas empresárias do setor de autopeças brasileiro...
Qual o porquê de tamanha desvalorização das marcas francesas no Brasil?
Serei um tanto quanto sincero no que diz respeito à explicação: "O problema está no brasileiro!"
O problema não está nos carros, propriamente ditos...
Faz algum tempo, fui proprietário de um Citroen C4 Pallas GLX automático.
O carro era ano/modelo 2011/2012 e ainda está na família, mas nas mãos de um parente próximo e que está adorando o carro. Eu, enquanto dono, também fui muito satisfeito com o carro, sobretudo por conta do desempenho elevado e do conforto, proporcionado por um espaço interno gigante, e por conta de "mimos" eletrônicos típicos de carros inseridos em categorias mais elevadas, em que os valores pagos estariam bem acima do que paguei pelo C4.
Em suma, estou falando de custo x benefício.
Paguei menos e levei, pelo menos dentro de concepções minhas, mais. Bem mais!
Lembro-me bem, porém, do momento em que adquiri o carro e comecei a fuçar na internet sobre o mesmo.
Tive, logo de início, a decepção de saber que a transmissão pela qual optara, a automática AL4, era alvo de discussões quanto à funcionalidade e durabilidade e, normalmente, personagem ingrata de relatos de problemas de solenóides e de perda de pressão.
Era, acima de tudo, um projeto criticado por muitos.
Havia relatos que associavam o fato de ser uma transmissão, dotada de buchas nas pontas de eixo, frágil e difícil de receber manutenção, além do fato de ser cara ou caríssima para mexer...
Comecei a discordar, porém, de muita coisa que via.
E o pior disso é que comecei a enxergar na cultura brasileira a causa para tais críticas.
O que havia de errado com a AL4, afinal de contas?
Vocês sabem quais carros são equipados com ela?
Uma ampla gama. São os Citroen C3, C4, C4 Pallas, alguns C5, os Xantia, as Xsara Picasso... Na linha Peugeot, os modelos 206, 207, 306, 307, 405, 406, 407 e 408, sendo que, neste último caso, a transmissão passa a ser chamada de AT8 por conta de modificações no corpo de válvulas, software e, principalmente, no conversor de torque.
Mas há, também, os modelos da Renault, nos quais a caixa automática era chamada de DP0, como as Scénic, os Mégane, Mégane Grand Tour e os mais recentes Sandero, Logan, Duster e, mas recentemente, Duster Oroch (linha 2017), nos quais a transmissão passsou a ser chamada de DP2, sugerindo alguma evolução.
Acredito que o retrabalho feito na transmissão AL4 e que resultou na AT8, tenha se estendido à transmissão DP0, no que resultou a evolução, chamada de DP2.
Mas vamos ao início: A AL4 é um projeto de longa data.Foi lançada no ano de 1999, em uma parceria que envolveu Peugeot, Citroen e Renault, sendo uma transmissão compacta e leve (cerca de 70 kg...) e destinada ao uso em posição transversal em motores de 1,4 até 2,0 litros de deslocamento volumétrico. Tinha como características, além das quatro marchas para frente e uma a ré, o "lock-up" do conversor de torque após a primeira marcha, ou seja, tinha a possibilidade do já mencionado "lock up" de conversor de torque na segunda, terceira e quarta marchas, fora o fato de suportar um torque de até 210 Nm (21 kgf.m).
A redução de tamanho e peso e a tendência natural de encapsulamento de motores e caixas de marcha em compartimentos cada vez menores e sem a devida refrigeração, nos carros mais modernos, levou à opção pela refrigeração do fluido hidráulico da transmissão através de trocador de calor integrado à refrigeração dos próprios motores, de modo que o líquido de arrefecimento dos propulsores é que seria o responsável pela redução da temperatura do óleo da transmissão.
Fluido este que deveria, em condições ideais, operar em temperaturas oscilando entre 85ºC e 90ºC.
Os fluidos escolhidos pelas fábricas, para equiparem (OEM) a AL4, sempre seguiram às especificações DEXRON III, DEXRON III - G ou DEXRON III-H, sendo famoso, no Brasil, o fluido de sigla LT71141, fabricado primeiro pela ESSO e, depois, com o mesmo nome, pela MOBIL.
Um fator a mais, que caracteriza o projeto das transmissões AL4, é o largo uso de buchas metálicas nas fixações das pontas dos eixos e, também, nas engrenagens fixadas aos eixos internos da transmissão, eis que, nestes casos, as buchas desempenham também a função de selos de pressão interna.
À época, estas caixas de marcha foram consideradas muito modernas, sobretudo pela suavidade de operação e simplicidade construtiva, e passaram a ser destaque nos modelos de automóveis de quatro cilindros das montadoras francesas Peugeot, Citroen e Renault.
A evolução do projeto foi notável com o passar dos anos.
As centralinas de controle da transmissão, da marca Siemens nos veículos das marcas Peugeot e Citroen (Grupo PSA), cresceu em capacidade de processamento e nos recursos disponíveis. A era dos aceleradores a cabo cedeu espaço às borboletas eletrônicas... O tempo das mudanças de marcha diminuiu sensivelmente e a capacidade de "compreender" as demandas feitas por apenas leves toques no acelerador foi incrementada, demonstrando um trabalho constante, gradual, de melhora da calibração da transmissão. Em sendo utilizada, inclusive, em projetos novos da Peugeot, por exemplo, como o modelo 2008, a AL4 ganhou função ECO, em razão do que passou a realizar trocas de marcha em rotações menores e no menor tempo possível, de modo a beneficiar o consumo de combustível dos motores aspirados de 1.600 cm³ (1.6) e 16 válvulas.
Infelizmente, a evolução técnica constante, que tornou a AL4 a melhor ou "mais esperta" das transmissões epicíclicas de 4 (quatro) marchas que conheci - muito superior, em comportamento dinâmico, às Aisin de quatro marchas, como as "burras" 4L30E, dos Chevrolet Vectra, Astra e Zafira 2.0 nacionais -, também evidenciou a falta que mais marchas faziam ao conjunto.
No Brasil, num passado não muito distante, quando equipava veículos com motores 1.6 16v, da linha TU5JP4 (Peugeot 207 Passion, por exemplo), era ainda mais visível o descompasso entre as longas relações das três primeiras marchas da AL4 com o torque diminuto dos motores em regime de giros mais baixos, do que resultaram muitas, mas muitas reclamações no que concerne à falta de um desempenho mais "interessante" dos veículos.
Nestes casos, mesmo o uso de uma relação de diferencial mais curta - a única variação de relação final de transmissão possível, nas transmissões AL4, eis que não havia a possibilidade de alterar a relação de qualquer das 4 (quatro) marchas... - não resolvia o problema.
Nos modelos equipados com motores 2.0, o torque maior (na casa dos 20 mkgf...) e mais bem distribuído, dos mais modernos EW10, compensava e permitia melhor desenvoltura em estradas e, também, no trânsito pesado.
É, ainda hoje, lamentável o fato da AL4 não ter evoluído para uma transmissão de 5 (cinco) ou 6 (seis) marchas. Ao invés disso, manteve-se inalterada nesse aspecto e está sendo, gradativamente, substituída por uma transmissão Aisin, de 6 (seis) marchas, e trocador de calor também por refrigeração líquida.
Está tendo sua sobrevida garantida, é bem verdade, pelo fato de ser leve e compacta e, em função disso, conseguir ser alojada, sem grandes dificuldades, em espaços diminutos, nas plataformas mais novas do grupo PSA, sendo exemplos os casos dos Peugeot 208 e 2008 e da nova geração dos Citroen C3.
As referidas plataformas não suportam a utilização das novas transmissões de seis marchas, dadas as maiores dimensões dos próprios blocos das citadas transmissões Aisin.
Mas qual o porquê das críticas a uma transmissão que ainda é tão utilizada?
O que tem ela de errado?
É muito falado que o problema estaria nas eletroválvulas da marca ACUTEX, utilizadas anteriormente às BORG WARNER, mas há informações que a troca foi motivada mais por questões contratuais (de preço final praticado por fornecedores de peças) do que efetivamente por problemas técnicos da peças em questão. 
Se esta versão dos fatos é verídica, não há tecnicamente como afirmar. É fato, porém, que as eletroválvulas BORG WARNER não deram tanto trabalho como as utilizadas antes. 
O que se pode afirmar é que as solenóides antigas (ACUTEX) trabalhavam dentro de uma faixa de onda quadrada de 50 Hz, ao passou que as novas (BORG WARNER) trabalham com coisa de 100 Hz ou mais, para esquentarem menos durante seus ciclos de trabalho.
Esta evolução teria ocorrido no ano de 2011, quando a transmissão AL4 também teria recebido um novo corpo de válvulas, com novo desenho externo e interno, incompatível com as peças utilizadas até então, cujos canalículos teriam calibre levemente maior.
O trocador de calor, por sua vez, também passou por retrabalho interno no ano de 2011 (foi lançado na linha 2012), passando a contar com maior capacidade de refrigeração do fluido hidráulico.
Alguns proprietários de Peugeot e Citroen, equipados com as AL4 - dentre os quais me incluo no meio -, recorreram aos trocadores de calor utilizados nas transmissões DP2, da Renault, a partir da informação de que seriam maiores que os utilizados pelos carros do grupo PSA. 
De fato, tive a chance de perceber ligeira diferença no calibre interno dos canalículos e mudei o trocador de calor original do meu saudoso Citroen C4 Pallas pelo dos Renault automáticos, sem que tal substituição tenha tido qualquer efeito negativo para a transmissão.
Esta questão da elevação da temperatura, como causa de falência precoce do fluido hidráulico e, consequentemente, de todo o conjunto da transmissão AL4, foi alvo de artigos técnicos escritos na própria França, onde também foram relatados muitos problemas com a transmissão que é agora alvo de discorrimento.
Se na França, com os invernos europeus típicos, houve problemas, que dirá nos trópicos e sem que houvesse uma tropicalização adequada do sistema de arrefecimento dos carros da PSA e da Renault...
É... Não é fácil a vida das AL4 no Brasil.
Muito, porém, do que se disse podia ter sido corrigido antes que os problemas aparecessem. Faltou motivação ou sobraram interesses financeiros por parte das montadoras. Provavelmente, imperou a lei de que quando o cálculo do que se gasta para deixar melhor, perfeito, resulta em montante maior do que o que será gasto para apenas reparar as transmissões que dão defeito, opta-se por apenas consertar.
Assim, se a imagem dos carros ficou ruim no mercado, grande parcela de culpa recai por sobre o grupo PSA e sobre a Renault.
No que concerne à manutenção corretiva das AL4, digo e afirmo: A substituição das eletroválvulas é possível e aconselhável. 
No entanto, para que seja bem sucedida, é indispensável a recalibração do sistema, ajustando a frequência de funcionamento das solenóides, por meio de telecarregamento de central Siemens, via scanner Lexia.
Tenho opinião própria no que concerne aos problemas de funcionamento - às vezes precoce... - das transmissões automáticas dos veículos do grupo PSA e Renault.
Após muito observar as centenas, os milhares de relatos de usuários insatisfeitos com o funcionamento dos carros equipados com essas transmissões automáticas, verifiquei que, no geral, se tratavam de veículos fabricados anteriormente às modificações efetuadas na caixa de marcha, conforme foi mencionado. Além disso, contribuía para uma má imagem destas transmissões a própria orientação dos manuais técnicos da PSA e da Renault, segundo os quais o fluido hidráulico das AL4 e DP0 seria do tipo "lifetime", só comportando uma mera verificação de nível a cada 60.000 (sessenta mil) quilômetros.
Muitas transmissões sequer chegavam a tal quilometragem... Colapsavam antes!
A orientação era e é estúpida!
E explico o porquê de tal afirmação categórica: As transmissões AL4, AT8, DP0 e DP2 possuem filtro de particulados interno, desprovido da possibilidade de troca durante manutenções periódicas, o que obriga a um cuidado maior com as condições gerais fisico-químicas do fluido hidráulico, para minimizar os desgastes e prolongar a vida do conjunto mecânico no geral.
Se não há a possibilidade de troca recorrente do filtro de particulados metálicos, deve-se manter o fluido em ordem. 
Esta é a regra!
Por isso, lá em 2012 comecei a pesquisar sobre fluidos de transmissão automática alternativos às velhas opções que eram dadas aos proprietários dos veículos do grupo PSA e da Renault. Era um absurdo estar submetido às regras impostas pelas montadoras e pagar caro por compostos já ultrapassados e que não garantiam sobrevida às transmissões.
Não demorou muito e verifiquei que os fluido denominado LT71141, produzido pela Mobil (anteriormente produzido pela ESSO) e vendido a valores estratosféricos, não passava de uma nova denominação para um simples fluido de classificação DEXRON III-H.
Tal constatação me levou a concluir que os milhares de automóveis, equipados com a transmissão automática AL4, estariam muito mais bem servidos acaso optassem por utilizar os modernos fluidos de classificação DEXRON VI.
E tal conclusão foi exposta, com êxito, no fórum do Citroen Club do Brasil, no ano de 2012.
Era a consagração de um raciocínio segundo o qual eu poderia dar opções mais modernas e mais baratas de fluidos de transmissão a pessoas que estavam sendo, literalmente, enganadas (!!!) por uma milionária reserva de mercado, patrocinada pelas montadoras francesas.
O incremento de desempenho dos fluidos de classificação DEXRON VI é de tal ordem que, mesmo em as transmissões AL4 superaquecendo durante uso mais severo, não ocorrem os problemas de queda de viscosidade acentuada e de cisalhamento, comuns aos fluidos DEXRON III. A melhora é de tal ordem, na qualidade do filme de óleo que adere às superfícies metálicas, que há possibilidade de sobrevida de mais de 100.000 quilômetros às transmissões automáticas que passam a utilizar o DEXRON VI.
Por fim, uma outra coisa que se percebe, na atualidade, é que são poucas as críticas às transmissões automáticas de quatro marchas que equipam os veículos novos da PSA e da Renault. Tal constatação tem obviamente a ver, diretamente, com as alterações internas pelas quais passaram e que foram, aqui, elencadas. 
Bom, pessoal, é isso!
Escrevi este post para tirar o pavor de quem vai comprar carro francês, equipado com transmissão AL4 ou AT8.
Não são carros ruins. 
Muito pelo contrário, o ruim desses carros não está no projeto ou na engenharia em si, mas em quem deveria zelar por ela e transformar a imagem de mercado desses veículos.
É uma pena que, no país em que vivemos, a justiça não sirva de inspiração às ações indenizatórias e que impere a exaltação da ignorância, da desinformação, como forma de extorquir o consumidor final de um produto caro, como é o automóvel.
Fecho por aqui o tema.
Falarei mais sobre o assunto, mas considero que o artigo de hoje foi esclarecedor para quem tem preconceito com os carros do grupo PSA e da Renault, equipados com as transmissões automáticas AL4, AT8, DP0 e DP2.
O blog está aí, para falar sobre tudo e mais um pouco.
Um beijo grande no coração de todos!



Xamã do Brasil. 

125 comentários:

  1. Que matéria top! Tudo muito bem explanado, parabéns. Temos que divulgar isso em todos cantos. Lembrando também que o óleo dexron vi pode ser um upgrade para diversas transmissões que usam derivados do dexron III

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Marco Toss,
      Muito bem lembrado! Tenho visto donos de diversos modelos de carros correndo atrás de fluidos caros e difíceis de encontrar, quando, ao lado dos mesmos, há o popular DEXRON VI que, em muito, excede o que as transmissões dos automóveis necessitam. Farei menção a isso em um próximo post. Muito obrigado pelo comentário e, por favor, divulgue o blog para os amigos!

      Excluir
    2. Olá. Tenho um c4 pallas comprei recentemente e está com 75000 não sei o histórico do câmbio se já fizeram manutenção ou não, mas o carro não apresenta avaria alguma, mas vou realizar a troca do fluído, já comprei o Dexron vi, mas confesso que fiquei com resseio.

      Excluir
    3. Caro amigo,
      Não tenha receio algum em substituir o fluido por um moderno DEXRON VI.
      A transmissão só ganhará com isso.
      Após a troca, faça um reset na centralina da transmissão e verás como o carro ficará ainda mais gostoso de dirigir.
      Um abraço grande e peço que divulgue o blog para familiares e amigos, se possível.

      Excluir
    4. Obrigado amigo pela atenção, divulgarei sim. Sou do ramo da reparação, eletrônica automotiva, trabalho com módulos, programação, etc. Certamente irei indicar os conhecidos a visitarem o blog. Obrigado.

      Excluir
    5. Desculpe, o que seria "fazer um resete na centralina da transmissão?"

      Excluir
  2. Olá. Tambem participo do C4C. Sou o Paulo Neto no Face, Ernani Paulo Neto. Cara, achei ótimo e belíssimo relato sobre o cambio. Nunca vi reunida tanta informações a respeito bem explicadas. Parabéns. Eu tenho um Pallas 2013 (AT8) com apenas 22 mil km rodado. Penso em trocar óleo parcialmente (3,5L que desce) quando chegar aos 40 mil km, e total com 80 mil realizando o flush. O que vc acha? Seria uma prevenção. Comprei esse carro 0km e nunca me deu problema. Amo o carro.
    Outra coisa, embora vc mencione o óleo Dexron, um mecânico havia me falado que o mais indicado seria o Pentosin ATF1. Segundo ele, esse oleo é o oleo de preenchimento (montagem) dos nossos cambio, e justamente por se tratar de trocas parciais, utilizaria o mesmo óleo. Disse ainda, que o Pentosin ATF1 é um oleo indicado para cambios que trabalham com alta temperatura. Será que isso procede? Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo. Dexron é a especificação SAE do óleo, não a marca. Lhe garanto que o Pentosin é realmente um óleo de qualidade e com otimo custo beneficio. Talvez o melhor Dexron III no mercado hoje. O melhor procedimento é o flush em qualquer intervalo de tempo. Troca parcial é contaminar oleo novo somente.

      Excluir
    2. Caríssimo Ernani Paulo Neto,
      Te aconselho a fazer a troca lá pelos 30.000 quilômetros. O fluido ainda estará em boas condições e o flush só fará com que o carro fique com a transmissão garantida por muitos e muitos milhares de quilômetros. Não aconselho a utilização do ATF1 da Pentosin. Trata-se de fluido caro e inferior a qualquer DEXRON VI encontrado no mercado. Se for trocar, invista mais um pouco e vá de DEXRON VI, renovando todo o fluido, para ter a AL4 garantida por muito tempo. Um abraço grande e, por favor, sempre que possível, divulgue este espaço para os amigos.

      Excluir
  3. Parabéns pelo artigo, muito bem explicado. Hoje estou em meu segundo C4 Pallas. Meu primeiro C4 Pallas foi um GLX 2.0 Automático 2010, e sinceramente fiquei muito decepcionado com o câmbio do carro, o câmbio deu problema, tive que refazer o câmbio e vendi o carro para me livrar da bomba.
    Mas logo senti saudade do C4, como você mesmo relata é um carro confortável, com um ótimo conjunto tecnológico e mimos dificilmente encontrado em nossas carroças nacionais.
    Acabei comprando outro C4 Pallas GLX 2013, só que agora com câmbio mecânico e estou muitíssimo satisfeito.
    Vejo nos fóruns e redes sociais muitos donos de carros franceses reclamando de problemas no câmbio, mas vejo também que outras marcam não escapam de reclamações, com problemas precoces no câmbio.
    O que me preocupa é o descaso com que o consumidor brasileiro é tratado por nossas autoridades. Nos Estados Unidos o governo procura proteger seus cidadãos, enquanto aqui a principal preocupação do governo é proteger as montadoras, e abocanhar o imposto gerado pelas porcarias que elas produzem.
    Para o cidadão/consumidor brasileiro ser respeitada, outro comportamento a ser eliminado deve ser a passividade do consumidor brasileiro. Temos que correr atrás de justiça. Se o problema dos câmbios automáticos franceses é de conhecimento de todos, porque não unir um grande numero de consumidores prejudicados em uma ação coletiva e pressionar as montadoras francesas para uma solução?

    ResponderExcluir
  4. Prezado Daiton Silva,
    O grande problema nosso, hoje, se chama justiça ou, melhor explanando, poder judiciário.
    Há a mentalidade de proteger as empresas e, infelizmente, consideram-se grandes indenizações para os consumidores como uma fonte ilícita de enriquecimento, o que é deplorável.
    Assim, não há qualquer incentivo para que o consumidor, diante de problemas graves de qualidade, corra atrás de seus direitos. Já tive problemas com um automóvel meu, zero quilômetro, que foi parar na justiça. Se não tivesse aceitado um acordo com a montadora, o processo já teria uns 06 ou 07 anos e, garanto a você, não tenho certeza que o juiz me daria a vitória na causa.
    É preciso mudar a mentalidade e as práticas do judiciário brasileiro...

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo texto. Ouvi falar em tropicalização do câmbio do Xsara Picasso, mas não encontro nada a respeito. Você teria alguma dica sobre isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Alex Ferreira,
      Boa tarde! Olha, houve alterações mais profundas no projeto da caixa AL4 a partir de 2011, quando o próprio corpo de válvulas sofreu redesenho interno e as solenóides passaram a ser da marca Borg Warner, operando em um clock maior. Veja bem, para o Xsara Picasso, dado o ano/modelo do carro, já não há como fazer a utilização do corpo de válvulas mais moderno e aprimorado. Ele simplesmente não encaixa no lugar do corpo de válvulas utilizado até 2011. Aconselho, então, a troca das solenóides e o telecarregamento da central Siemens, como forma de prolongar a vida útil do câmbio, sem esquecer, obviamente, da inteira substituição do fluido da transmissão pelo DEXRON VI.
      Fica bem melhor de operar e o consumo cai um pouco, devido às mudanças de marcha acontecerem em rotações menores. O telecarregamento é indispensável, logo após a troca dos solenóides, porque é preciso alterar a frequência de trabalho, de 50 Hertz para 100 Hertz. Esta última é a frequência das Borg Warner, que operam mais "frias" em comparação com as Acutex.

      Excluir
  6. Caríssimo Eduardo,

    Boa tarde!

    Primeiramente, muito obrigado por tanta informação.
    Sou o 3º dono de um 307 2.0 2005 que peguei com quase 90.000km e está comigo há 1 ano.

    Ciente das questões do câmbio, questionei o antigo proprietário. Ele me contou que veio a ter o problema, mas que na agência onde comprara teriam resolvido o caso.

    Infelizmente após 2 meses, passando por uma rua íngreme com o carro cheio, vi que a transmissão patinava e o carro não deu conta de subir! Em seguinda, uns dias depois vi a primeira mensagem: "anomalia no câmbio automático". Procurei uma oficina aqui em BH especializada em Franceses e o mecânico me mostrou o estado do óleo comparando com o novo (vermelho). Me disse que o óleo que estava no meu câmbio era óleo de câmbio manual pois estava muito grosso e escuro... Assustado com o preço sugerido para a recuperação do câmbio, pensei que seria melhor deixá-lo se acabar e depois trocá-lo.

    Pesquisei um pouco enquanto esperava dar o problema novamente, e fui cuidando de algumas questões periféricas. Na época fazia muito calor, e reparei que o reservatório estava com água apenas, e baixava o nível mais de 1 litro por semana. Não sabia como estava o óleo do motor e logo providênciei a troca (5W40). Coloquei o aditivo sintético, mas na oficina a água que misturaram ao concentrado era da bica. Essas medidas reduziram a temperatura de motor, o que afastou o problema do câmbio. Fiz várias viagens com o carro, e, por quase 1 ano não vi mais a mensagem de anomalia do câmbio... Até agora... Hoje o carro está com 112 mil, e em uma viagem no mês passado, tive de encostar mais de 10 vezes para desligar e ligar o carro (confesso que algumas vezes o fiz em movimento). Pensei em trocar o óleo do motor novamente (até pq já passa da hora, depois da troca nos 95.000, só completei 2 litros) e renovei o aditivo (no mesmo lugar, com água da bica). No entanto, parece que reduzir a temperatura não vai adiantar dessa vez, já que o erro acontece mesmo com o carro ainda frio.

    Seguindo as recomendações sugeridas por você, penso em fazer o seguinte: Trocar as eletroválvulas de pressão (pelas de 100Hertz) e os 4,5 litros do fluido (Dexron VI), alterando o clock para 100 Hertz através do Lexia.

    Ao que lhe pergunto:
    - Como identifico se as eletroválvulas são de 50 ou 100 Hertz?
    - A reprogramação da frequência de trabalho não afeta as demais eletroválvulas que não serão substituídas?
    - Sabe me indicar onde encontrar e qual fluído mais em conta entre os recomendados?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Denio Coelho,
      Boa noite!
      Vamos por partes:
      1º) Basta escolher as eletroválvulas da marca Borg Warner, para a AL4, e elas já serão de 100 Hertz. As antigas, da marca Acutex, são de 50 Hz;
      2º) A reprogramação é feita via telecarregamento. Um novo software é inserido na centralina Siemens e já prevê que apenas as duas novas eletroválvulas, controladoras da pressão da caixa e do "lock up" da mesma, serão atualizadas com a nova frequência de trabalho. Nâo há problemas com as outras eletroválvulas, que ficam responsáveis pela troca das marchas. A atualização é tal que, até mesmo a velocidade em que as marchas são trocadas, é alterada. Na última atualização, datada de 2012, a AL4 passa a fazer a troca de 3ª para 4ª marcha em cerca de 58 quilômetros por hora, para economizar combustível;
      3º) A questão de te indicar um vendedor com melhor preço do fluido DEXRON VI é fácil e rápida de resolver. Hoje, querido leitor, há uma guerra de preços no Mercado Livre e se consegue comprar o fluido, seja o sintético ou o semissintético, por valores bem baixos, se comparados aos praticados nos concessionários. Só te aconselho a comprar mais que 4,5 litros, pois a limpeza será muito pequena. Aproveite que vai fazer e compre uns 10 ou 12 litros de fluido, se possível, e repita mais vezes a drenagem do câmbio, para que a limpeza seja mais efetiva. Um abraço grande e, acaso precise, estarei aqui.

      Excluir
    2. Prezado, me indicaria quem fez o serviço pra vc na época? Aqui em Belo Horizonte, as oficinas que procurei alegam a troca do fluido e solenóides não resolve.
      Houve um agravamento: O câmbio também está patinando agora. Estou angustiado, a grana é muito alta pro reparo completo da caixa, estão cobrando na casa dos R$ 4.500,00. Por outro lado, vi um vídeo do Dr. Carro em que ele diz que o que precisa trocar é a cinta, anéis de vedação, ch. seletora, solenóides e fluido: https://www.youtube.com/watch?v=msKE5B97qlk
      O que acha?
      Muito obrigado pela ajuda!

      Excluir
  7. Procura o Everton (http://delmagmec.wixsite.com/delmag) acho que ele pode te ajudar, já salvou minha Xsara Picasso uma vez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alex, muito obrigado! Porém estou em BH...

      Excluir
    2. Dênio Coelho, boa noite!
      Pelo que estou vendo e pelos valores que estão sendo cobrados para o reparo, procuraria uma caixa reformada ou usada, mas com pouca quilometragem, no mercado livre, e trocaria logo a caixa, com o cuidado de abastecer, depois que estiver no lugar, com fluido novo.
      Não posso falar em valores, mas já vi transmissões à venda, recondicionadas, por coisa de R$ 3.500,00...
      Sobre os reparos propriamente ditos, quem mexia nas transmissões dos carros aqui de casa, era eu mesmo. A AL4 tem uma tampa lateral que permite a troca de alguns componentes, tais como pistões e anéis de compressão, mas fica complicado eu te explicar como faz para montar a caixa depois de aberta. Qualquer erro e pode haver danos na ponta dos eixos, no encaixe desses com as buchas metálicas. Dessa forma, te indico uma pesquisa por quem esteja vendendo as caixas prontas e já com fluido e peças novas, pois o custo tenderá a ser menor.

      Excluir
    3. Boa noite Eduardo!
      Resolvi que vou tentar a troca das solenóides, e fluido. pretendo fazer a limpeza do corpo de válvulas tb, e por fim dar uma olhada no trocador de calor.
      Só mais uma orientação: Parece que tem peça paralela por aí sendo vendida como original Peugeot. E pelo que vi não há gravação no componente. Mesmo as caixinhas da Peugeot não informam a marca, neste sentido, como identifico se são de fatos Borg Warner as solenóides? Estou pensando em realizar eu mesmo a troca do óleo seguindo essas orientações: http://omecanico.com.br/caixa-automatica-da-peugeot/ daí levaria em seguida em uma oficina que faça o telecarregamento pelo LEXIA.

      Excluir
    4. Prezado Dênio Coelho,
      Não aconselho que tente fazer o serviço por conta própria. A narrativa do amigo falou em "patinação" da caixa, o que me leva a pensar em três possíveis problemas: solenóide de controle de pressão, desgaste dos discos de fricção ou queda de pressão interna da caixa por vazamento através de buchas ou anèis de compressão. Ou seja, você poderá abrir e trocar peças e o defeito persistir, o que te trará mais gastos. Olha, meu amigo, há coisas que aconselho às pessoas, mas não te aconselho seguir nesse caminho. Se vai gastar, bota logo uma caixa recondicionada e acabe de vez com as tuas preocupações. O amigo falou em limpar o corpo de válvulas, não é? POis bem, há uma regulagem, que é feita no próprio corpo de válvulas, quando da sua reinserção na caixa e não é muito fácil "achar o ponto"... Fico preocupado do amigo abrir a transmissão e o resultado final não ficar bom. Vi no ML caixas refeitas, com todas as peças de desgaste (discos, cintas, pistões e anéis) novas, por coisa de R$ 3.500,00 e os caras ainda parcelam o valor. Dá uma pesquisada e vê o que fica melhor para você.

      Excluir
    5. Prezado Xamã!

      Segui o seu conselho de não fiz nada. Troquei o óleo do motor, e puff! O problema sumiu de novo. acabaram as patinações, e modo de emergência. Pra não falar que acabaram de vez, algumas ocorrências muito pontuais em subida de serra com o carro cheio (5 pessoas). No entanto, considerando a hipótese de trocar o câmbio pra solução definitiva, resolvi que vou usar o ressuscitado até acabar. Daí, se for o caso no futuro pego um retificado.

      Pra aproveitar o espaço, trago outro problema vivido com meu 307: "ANOMALIA ANTIPOLUIÇÃO".
      Pois bem. Surgiu o alerta e o carro ficou fraco, oscilante, aceleração travada (desengrenado) e morre. Levei no mecânico, fizemos a limpeza das velas, demos uma "esticadinha" nas molas da bobina de ignição, e descarbonizamos a TBI. Aí é que o enguiço piorou! a borboleta começou a chiar igual chaleira véia... Não fechava totalmente. Descobri que precisaria zerar o erro com um scanner, pois a abertura estava programada de acordo com a borra acumulada, e precisaria chegar a posição dela no lugar (eletrônicamente é claro). Mas ele não tinha scanner. Levei num eletricista e relatei o ocorrido. O carro ficou com ele uma semana! O abençoado trocou o sensor de detonação (que foi acusado pelo scanner dele), depois trocou a mangueira do respiro (por uma de borracha - sic!), me disse que tinha reprogramado a TBI. O carro continuava fraco, mas paguei pra ver. Depois de umas voltas o problema voltou! Nas pesquisas que fiz dizem que pode ser até fase da lua! SOCOOORRO!!! Apesar disso devo levar de volta pra esse cara pq me deve garantia. Me arrancou 500 pilas!

      Excluir
    6. Prezado Dênio,
      A tal "Anomalia Antipoluição" é caracterizada pela falha na válvula do canister, ou seja, na válvula que retorna os gases do tanque para o coletor de admissão. Se travou aberta ou se apresenta resistência anormal, pode ocorrer de causar alteração no corpo de borboleta.
      Eu iria na válvula do canister e pagaria para ver. Além disso, após a limpeza do corpo de borboleta com um bom CAR80, basta deixar a chave de ignição na posição ligada, sem acionar o motor, por cerca de três minutos, e a borboleta se auto calibrará. Isto mesmo! Sozinha! O "fenômeno" da auto calibração ocorre quando começam uns estalos metálicos no corpo de borboleta, com o mesmo se regulando sozinho.
      Segue essa linha aí, meu amigo, pois acho que você vai resolver o teu problema gastando menos.

      Excluir
  8. Eduardo, parabéns pela disposição e estudar e divulgar o assunto!
    Durante os últimos anos andei lendo muito a respeito das AL4/DPO ( Manual manutenção), pois já possui 02 scenic, e vi o despreparo das autorizadas em tratar o assunto.
    Como trabalho na área de manutenção ( eletrônica/Instrumentação) tenho certo conhecimento ( 30 anos exp.) o que me permitiu executar vários reparos tais como troca de óleo, troca de solenóides troca do sensor de posição etc.
    Atualmente tenho uma scenic 2002, que rodou 110Km, e somente teve uma troca de óleo.Recentemente começou a dar os famosos trancos. Sendo assim comprei as peças e com a ajuda de um mecânico, fiz uma manutenção básica na caixa. Troquei anéis, filtro, solenóides, cintas, etc.
    Um fato me chamou a atenção que foi o excelente estado das peças mecânicas ( engrenagens, etc). O problema foi resolvido +/- 90%. Só não ficou melhor porque eu não troquei as famosas buxas fixas, pois realmente é bem mais complicado. Durante a observação do funcionamento após a manutenção, instalei um medidor de temperatura digital, e em dado momento percebi como pode ser utilizado em um país tropical, um sistema de aquecimento (trocador de calor) para o fluído de transmissão, quando sabemos que o ideal para o mesmo seria trabalhar na faixa dos 40 graus.
    É extremamente incompreensível você esquentar o fluído ( Via trocador de calor com a água em 90 graus), e depois lutar para que o mesmo não aqueça mais e perda as propriedades. Baseado nisto estou preparando para adaptar um trocador de calor Ar/óleo, para que no mínimo eu prolongue a ocorrência de defeitos futuros. Esta pratica de se adicionar um melhor trocador de calor é comumente executada em países como por ex. a Austrália.
    Bem Eduardo, não querendo me alongar muito, concordo com suas observações, sobre como o mercado queima o filme dos carros Franceses, só para exemplificar a scenic 2002, possui um motor 2.0 16v com vvt 138 cv/ torque 190Nm, air bag , ABS com BAS, freio a disco nas 4 rodas, etc.

    Mas tem brasileiro que compra um tracker em 2016, com freio a tambor na traseira e acha que está fazendo vantagem....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também estou a procura desta adaptação, alguns mecânicos o RJ chamam de tropicalização. Em sites internacionais (amazon, ebay, aliexpress, etc) existe diversos kits genéricos, mas não tenho conhecimento técnico suficiente e não encontrei um mecânico que encare o desafio. Se você tiver alguma informação adicional poderemos conversar por -email. asfalex@icloud.com

      Excluir
  9. Eduardo, só para concluir o meu raciocínio do post anterior, embora o óleo Dexron VI, me parece ser um pouco menos viscoso na temperatura ambiente, estou substituindo o mesmo, com a esperança que quando aquecido tenha mais estabilidade a temperatura do que o Renaultmatic D3, e que a troca compense pela superioridade do mesmo.
    OBS. Nestas discussões sobre o melhor óleo para AL4/DPO, existe um fato curioso, atestado por vários mecãnicos de caixa: Os carros da citroen dão mais problemas do que os da Renault, e a grande diferença é que o óleo Renaultmatic é totalmente sintético.
    Creio particularmente que a refrigeração como um todo no cofre do motor pode influenciar no agravamento dos problemas da AL4, em virtude da temperatura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Márcio,
      Fico contente em ver que há leitores que estão fazendo deste espaço um lugar de trocas de experiências e de informação.
      Muito obrigado pelas tuas palavras e peço que ajude a divulgar o blog, sempre que puder, meu amigo.

      Excluir
  10. Ola, tudo bem?! Primeiramente, MUITO OBRIGADO PELAS INFORMAÇÕES!!! Conteúdo de alto nível. Acabei de trocar meu Fiesta Sedan 1.0 2007 por um C4 Pallas Exclusive 2010 de um amigo. O carro esta com 88.000 km rodado e ate agora não houve nenhum tipo de problema apresentado no cambio. Mas estudando sobre o mesmo vi que o ideal de se fazer com urgência é a troca do óleo, pois o mesmo nunca foi trocado. Estou querendo fazer de inicio a troca do óleo e a atualização do software do cambio e motor. Sobre as solenoides fiquei com uma duvida: É interessante troca-la PREVENTIVAMENTE ou apenas se vier a da problema?

    Vi em alguns comentários "picados" sobre a instalação de cooler/radiador para o óleo, mas ainda não tenho uma opinião formada sobre isso. Se tiver algo a acrescentar fico agradecido.

    Desde ja, MUITO OBRIGADO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marluzio, boa tarde!
      Olha, se as solenóides estão boas, não há razão para mexer. A troca completa do fluido facilitará o trabalho das mesmas e prolongará a vida útil das mencionadas peças.
      A atualização do software é aconselhável, sobretudo no que diz respeito ao câmbio, pois reduz a velocidade em que são trocadas as marchas, sob baixa carga, o que melhora sensivelmente o consumo dos C4 e, ainda, reduz o nível de ruído dos carros. A troca das marchas também fica mais "esperta", rápida.
      Sobre a utilização de radiador de óleo, seria aconselhável se o câmbio tivesse, a exemplo do que ocorre nos Aisin com radiador de óleo, uma espécie de válvula termostática, para manter a temperatura do fluido em um padrão adequado.
      O uso do radiador de óleo, nos AL4, cuja refrigeração é feita pelo sistema de arrefecimento do motor, pode levar à redução abrupta da temperatura do fluido, levando o câmbio a atuar com viscosidade fora do padrão ideal, o que pode ocasionar problemas.
      Sinceramente, não aconselho o uso dos kits com os quais já tive contato, eis que a temperatura ideal de operação do fluido deve ficar entre 85 e 90ºC.
      Não há qualquer forma de controle da redução da temperatura final do fluido quando da aplicação desses kits de radiador de óleo.

      Excluir
  11. Bom dia. Obrigado pelas informações. Entendi, o carro ainda esta em Uberlandia-MG com meu amigo, ai como moro em Palmas/TO quero pegar o carro ja com o oelo trocado e cambio/motor atualizado. Estou vendo os valores, em primeiro orçamento a troca do oleo ficou em R$720, e a atualização parece que é R$180 cada uma. Sobre o radiador eu entendi, melhor nao mecher com isso. Mas so uma duvida, quando falamos nesse radiador, é o mesmo "trocador de calor"? Fui reler o texto dessa pagina ai cita a troca do trocador de calo pelo da renault DP2. Vi no mercado livre na faixa de R$300 esse trocador. Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde me chamo Philipi e tenho um Peugeot 307 2.0 16v com o câmbio al4, gostaria de saber três coisas que me chamaram muito atenção em relação aos seus pista
    1- Estou prestes a trocar o óleo do meu veículo e a montadora recomenda Semi Sintético, há algum problema em usar um pleno sintético ? Qual você me indicaria em QUALIDADE x CUSTO?

    2- Vou trocar o óleo tanto do meu câmbio quanto do sistema de direção hidráulica vi dois óleos que são baratos o litro e de qualidade o Pentosin e outros que é utilizado pela Renault DP0 qual seria o mais adequado ?

    3- É aconselhável trocar os selenoides apenas após a troca do óleo ?

    Obrigado

    ResponderExcluir
  13. Boa tarde me chamo Philipi e tenho um Peugeot 307 2.0 16v com o câmbio al4, gostaria de saber três coisas que me chamaram muito atenção em relação aos seus pista
    1- Estou prestes a trocar o óleo do meu veículo e a montadora recomenda Semi Sintético, há algum problema em usar um pleno sintético ? Qual você me indicaria em QUALIDADE x CUSTO?

    2- Vou trocar o óleo tanto do meu câmbio quanto do sistema de direção hidráulica vi dois óleos que são baratos o litro e de qualidade o Pentosin e outros que é utilizado pela Renault DP0 qual seria o mais adequado ?

    3- É aconselhável trocar os selenoides apenas após a troca do óleo ?

    Obrigado

    ResponderExcluir
  14. Sensacional, essa é a melhor palavra para definir o conteúdo com tamanha riqueza de informações. Esclareceu uma grande dúvida que eu estava com relação ao câmbio AT8, na verdade é um AL4 renomeado e mais moderno pelo que vi. Possuo atualmente um Sandero com o AL4 que no momento está com 38k rodados, o que posso falar dele é que só tenho elogios, trocas suaves, calibração perfeita com o motor 1.6 16v da Renault, econômico dentro das minhas expectativas e quando necessário ele entende que você quer andar, em fim, aos que falam mal de carros franceses e criticam caixas de câmbio de 4 marchas não sabem o que estão falando. Como mencionei no inicio pretendo comprar outro carro com AL4/AT8 sem medo de ser feliz. Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido Thtagu,
      Boa tarde! Muito obrigado pelas palavras. São elas que fazem o trabalho de bem e corretamente informar continuar... Ajude este espaço, por favor, o divulgando entre os amigos e conhecidos. Um abraço grande do Xamã do Brasil!

      Excluir
  15. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  16. Eduardo, muito bom seu artigo. Obrigado por compartilhar esse rico conhecimento.
    Tenho um C3 1.6 16v 2011/2012 que 80% do tempo funciona passando as marchas em rotações altas (e.g. 4a marcha só aos 70 km/h). Porém, algumas raras vezes, ele decide sair da garagem passando as marchas suavemente. Logo da 1a para 2a já sinto que ele está de bom humor e econômico e passa para a 4a aos 60 km/h. Como pode isso? Imagino que o software inclui algum programa de adaptação ao estilo do piloto. Mas não entendo o que é que ele está monitorando, pois não faço nada de diferente. Já tentei várias coisas e não descubro. Você acha que devo buscar atualização do software ou já tenho ele na última versão, porém com algum outro problema? Obrigado pela atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Xavi, boa noite!
      Pergunta feita em 15 de março e só respondida pelo blogueiro em 02 de abril... À noite... Ai, ai, ai, ai.
      Minhas mais sinceras desculpas, meu querido!
      É muita demora!!!
      Mas vamos lá: O programa da centralina Siemens, que comanda a transmissão do teu C3 1.6 16v adota algumas estratégias de funcionamento.
      A primeira delas é a que considera o uso "normal" da caixa, com fluido à temperatura e pressão ideais de funcionamento.
      No entanto, quando se liga o carro com a transmissão fria e se sai rápido com o carro, nem a viscosidade do fluido, como também a temperatura e a pressão, estão em padrões ideais, de modo que a caixa adota uma estratégia de "aquecimento" de todo o conjunto, "patinando" mais entre uma troca e outra de marcha e fazendo as trocas de marchas a rotações inferiores.
      Está tudo normal.
      Se você, nesta situação, parar o carro e o desligar, ligando-o logo em seguida, verificará que a caixa vltará a trocar as marchas em velocidades mais altas e "patinará" muito menos entre as trocas de marcha.
      Qual a saída para evitar isso?
      Simples.
      Ligue o carro de manhã e espere cerca de trinta segundo ou um pouco mais, nos dias mais frios, e verás que a transmissão não adotará o modo de "aquecimento".
      Agora, pelas velocidade que o amigo me passou, no que diz respeito às trocas de marcha, o software da tua AL4 não está na última versão.
      A atualização, datada de setembro de 2011, se não me engano, faz com que as trocas de marcha sejam mais rápidas e ocorram mais cedo. A quarta marcha, por exemplo, entra a cerca de 55 quilômetros por hora.
      A atualização é feita via LEXIA, nos concessionários.
      Espero ter respondido à questão e te ajudado, meu amigo.
      Um abraço grande e ajude a divulgar o blog entre os amigos. Muito obrigado!

      Excluir
  17. Trocar o oleo do câmbio at8 a cada quantos km ? Qual marca ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Mateus!
      Uma quilometragem boa, em termos de custo x benefício, para a substituição integral do fluido da AT8, seria algo em torno de 40.000 (quarenta mil) quilômetros.
      Mas considero importante que o amigo me diga qual o uso predominante que faz do carro, antes de afirmar uma quilometragem ideal. E explico o porquê.
      Veja, há carros que rodam muito no trânsito pesado, em engarrafamentos longos e que exigem demais dos discos de fricção do câmbio, o que reduz drasticamente a vida do lubrificante das caixas automáticas. Já vi fluido com 15.000 quilômetros destruído, com cor escura e cheiro de queimado, saindo de uma AL4. E já vi câmbios com 80.000 quilômetros, que nunca trocaram o fluido, e que, por rodarem predominantemente em estradas, não apresentavam problemas no que concerne ao óleo.
      Entendeu?
      Vai depender do uso que é feito do câmbio e das condições de rodagem do carro.
      Em condições de uso 50% estrada e 50% cidade, considero que 40.000 quilômetros seja uma quilometragem limite para garantir vida longa à transmissão.
      Um abraço grande e obrigado por visitar o blog.

      Excluir
    2. Obrigado. E no meu caso 30 minutos pra fazer 6 km trânsito pesado de manha. Ja a na volta via expressa livre carro ta 11mil km pouco mais de 1 ano

      Excluir
  18. Boa noite primeiramente quero agradecer por tanta informacao boa neste post. Tirei muitas duvidas sobre o cambio al4. Comprei um pegeot 207 passion ano
    2010 e depois dele ter entrado em modo de emergencia 2 vezes em 6 meses fiquei muito decepcionado e ainda mais aflito depois de ler tantas reclamacoes deste cambio na internet. Porem depois de receber estas informacoes fico mais tranquilo e com mais esperanca. Penso agora em trocar totalmente o oleo dele e tambem as eletrovalvolas. Mas Eduardo queria te fazer somente uma pergunta:
    Este oleo dexron vi pode ser usado no meu carro (ano 2010) ou somente em cambios mais modernos? Desde ja agradeco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Paulo.
      Primeiramente, minhas mais sinceras desculpas pela demora em te responder.
      Mas tô aqui...
      Vamos lá: Pode usar o DEXRON VI no teu AL4 tranquilamente. O fluido se aplica a qualquer transmissão AL4, AT8, DP0 e DP2 de qualquer ano ou modelo (refiro-me, aqui, quando falo de "modelo", às várias fases evolutivas dessa transmissão, nos mais diversos carros que ela equipou).
      A troca das eletroválvulas e um upgrade no software são aconselháveis no teu caso. Muito provavelmente, as eletroválvulas ainda são da marca ACUTEX e atuam a coisa de 50 Hz, quando as atuais são da marca BORG WARNER e atuam a coisa de 100 Hz. Tudo isso faz parte do processo de atualização da transmissão. A troca integral do fluido é recomendável.
      Espero ter ajudado. Se ficar inseguro ou com alguma dúvida a mais, me fala!
      Um abraço grande!

      Excluir
    2. Obrigado Eduardo pela consideracao. Vou procurar uma boa oficina em goiania para fazer estes procedimentos. Trocar integralmente o oleo as eletrovalvolas agora de 100 hz e tambem atualizar o software. Parabens pelo post atraves dele q pude enriquecer meu conhecimento a respeito desse cambio e ir para oficina ja por dentro do que e preciso fazer para q seja realizado um servico realmente efetivo mas tambem menos caro ( utilizacao do oleo dexron xi). Realmente obrigado...

      Excluir
    3. Boa noite Eduardo e Paulo,
      primeiramente gostaria de parabenizar o Eduardo por disponibilizar um conteúdo tão esclarecedor a respeito do câmbio AL4 no qual é tao difícil de encontrar. Com certeza disseminarei seu conhecimento e o endereço do seu blog!!

      Paulo,
      tenho um Peugeot 307 2.0 Feline 10/11 e estou querendo fazer o mesmo procedimento que o seu no cambio, gostaria de saber se achou alguma oficina boa aqui em goiânia para realizar o procedimento? e se esta tudo certo com o carro até hoje utilizando o dexron Vi?
      Desde já Muito Obrigado aos dois!!

      Excluir
  19. Bom dia amigo xamã!!!! Primeiramente, gostaria de parabeniza-lo pelo estudo feito sobre o câmbio AL4. Minha pergunta é: pesquisando aqui vi que lá em 2012 vc disse que usaria o lubrificante Motul mult ATF,logo a frente creio que em 2016 vc optou pelo Dexron VI dá Mobil... Estou prestes a fazer a troca no meu C4 Pallas, gostaria de uma opinião sobre qual deles devo usar.e se os mesmos são sintético.outra dúvida é sobre as eletrovalvulas,se hoje já existem mais modernas ou somente aqueles que vc mencionou logo acima.. Agradeço a força!!!! Abraço.....

    ResponderExcluir
  20. Bom dia amigo xamã!!!! Primeiramente, gostaria de parabeniza-lo pelo estudo feito sobre o câmbio AL4. Minha pergunta é: pesquisando aqui vi que lá em 2012 vc disse que usaria o lubrificante Motul mult ATF,logo a frente creio que em 2016 vc optou pelo Dexron VI dá Mobil... Estou prestes a fazer a troca no meu C4 Pallas, gostaria de uma opinião sobre qual deles devo usar.e se os mesmos são sintético.outra dúvida é sobre as eletrovalvulas,se hoje já existem mais modernas ou somente aqueles que vc mencionou logo acima.. Agradeço a força!!!! Abraço.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado José Dionísio Soares,
      Boa noite, meu nobre!
      Olha, não tenho preferência por marcas de fluidos DEXRON VI e tenho me baseado mais, nos aconselhamentos que dou, no aspecto do custo x benefício, em se tratando de marcas renomadas no mercado de autopeças.
      Mobil e Texaco (Havoline) são as marcas que melhor custo x benefício tem apresentado, sendo destaque o fluido DEXRON VI da Mobil que é vendido como AC Delco nos concessionários GM e por um preço bem atraente.
      Te aconselho, então, o uso do Mobil.
      É o que tem prevalecido. Usei no meu carro e não tive problema algum.
      Sobre a marca das solenóides, as melhores e mais modernas são as da Borg Warner e trabalham a uma frequência de 100 Hz, ao contrário das Acutex, que são problemáticas, esquentam demais e funcionam a uma frequência máxima de 50 Hz.
      Se for trocar, coloque as Borg Warner e faça a atualização do software da transmissão, pois as Borg Warner exigem que o software altere a frequência de trabalho de 50 Hz para 100 Hz.
      Esta alteração não é necessária se teu carro já for ano/modelo 2011, pois foi na mudança de linha, entre 2010 e 2011, que ocorreu a atualização do software e a mudança na frequência de funcionamento das solenóides.
      Carros mais antigos, inclusive os Renault Mégane automáticos, que usam a DP0, podem passar pela atualização.
      Espero ter te ajudado, mesmo em demorando a responder aos teus questionamentos.
      Um abraço grande!

      Excluir
  21. Alguem saberia me indicar uma boa ificina para fazer este servico em goiania?

    ResponderExcluir
  22. Pessoal um logan 2013 automático qual o cambio ? dp0 ou dp2, aconselham comprar ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A transmissão já é a mais evoluída DP2. Aconselho a aquisição do veículo, desde que a transmissão esteja apresentando trocas suaves e redução para a primeira marcha também pouco perceptível. Se houver trancos, não compre o carro, pois terá gastos com a transmissão que podem, literalmente, "quebrar" teu orçamento. Se ficar com o carro, independentemente da quilometragem, faça a substituição do fluido da DP2 por um DEXRON VI e seja feliz.

      Excluir
  23. Meu manual vem com a indicação do óleo total fuid at42 um xsara break 2001 1.6 16v,trocando o óleo teria algum melhor para colocar ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Normalmente, para quem usa o AT42 indico o Texaco Texamatic 7045e, que tem valores de viscosidade bem similares aos do AT42 e índice de viscosidade bem maior. Além disso, há o fato de ser um DEXRON III - G, ao passo que o AT42 é um DEXRON III. O Texamatic também costuma ser bem mais barato que o AT42 Total Fluid.

      Excluir
  24. opa tudo blz, entao em modelos 2012 p cima dos pug qualquer hum 307, 308, 208, 408 todos que vem com a al4 ja vem com corpo de borboleta atual e solenoides de 100hz mas o oleo e o mesmo ou mudaram p dextron VI?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não houve alteração do fluido utilizado. Até hoje é o Mobil LT71141, que é um DEXRON III - H. No caso da Renault, continua também a ser um DEXRON III sintético, fabricado pela Elf, batizado de Renaultmatic D3 Syn.

      Excluir
    2. Se trocar todo o oleo da caixa pode ser posto o dextron VI??
      GRato

      Excluir
    3. Prezado vhmadeira,
      Perfeito! Este é o procedimento aconselhável, quando da substituição do fluido. Todo ele deve ser trocado para um tipo específico.
      No caso, o uso do DEXRON VI em transmissões AL4 é benéfico para a longevidade e bom funcionamento da caixa de marchas.

      Excluir
  25. Caro Eduardo, o câmbio do C4 hatch Exclusive 2013 é AT8? Meu e-mail: lrsantos79@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não. O câmbio é o AL4 mesmo. O único modelo em que o AT8 foi utilizado foi o Peugeot 408, até a adoção da caixa Aisin de 6 marchas... Teu C4 conta é com a última versão do software desenvolvida para o AL4 antes da adoção do botão de modo "ECON". Esse modo de condução foi desenvolvido para os modelos do Peugeot 2008, equipados com motor 1.6 aspirado, e faz o câmbio trocar de marcha mais cedo. A Renault também acabou adotando modo "ECO" de condução nos Duster e Oroch com o câmbio DP2 e motor 2.0. Obrigado por visitar o blog e peço que, se possível, o divulgue para os amigos.

      Excluir
    2. Boa noite, vhmadeira,
      Bem lembrado, meu amigo.
      408 e 308 compartilharam da utilização da AT8.
      Bem lembrado.
      Obrigado!
      Tecnicamente falando, usam a mesma plataforma e partem de um mesmo projeto, de forma que utilizaram, sim, a transmissão em questão.

      Excluir
  26. Amigo, tudo bem? Estoy cogitando a possibilidade de um C4 ou 307 com AL4. Porem, pelo ano dos carros (06-09), deve ser a primeira versão e a km dos carros geralmente passa ou beira os 100k. Devo adquirir? Ja tive um Xsara hatch, otimo carro, mas gastei 4k pra consertar o cambio q patinou na minha mao e desde entao continuei comprando carros franceses, mas todos manuais. Se eu pego um desses antigos que teoricamente esta funcionando legal, existe um procedimento (troca de oleo,update de sw, eletrovalvulas e solenóide) que garanta uma longa vida util sem problemas? Se sim, como método preventivo, quanto isso poderia me custar? Preciso ter uma ideia dessas respostas pra saber se vale a pena me aventurar nessa

    Grandw abs e parabens pelo blog

    ResponderExcluir
  27. Prezado Anderson,
    Sinceramente, não cogitaria fazer uma aquisição dessas, acaso não quisesse gastar com a manutenção ou, até, eventualmente, com a troca total da caixa de marcha por uma já refeita e com todos os itens sujeitos à desgaste devidamente substituídos.
    O gasto com a manutenção preventiva e atualização da AL4 deve ficar entre R$ 2.500,00 e R$ 4.000,00, o que julgo "alto".
    Mas se você conseguir um carro que esteja funcionando bem e queira, apenas, fazer um "update" na transmissão, o caminho é simples: troca total do fluido (DEXRON VI, por favor...) + solenóides (Borg Warner, de 100 Hz, por favor...) + atualização de software com reset dos parâmetros auto adaptativos. A versão do software deve ser a última, em que a troca da terceira marcha para a quarta marcha ocorre aos 58 km/h. É datada de 2012.
    Gasto deve ficar em torno de R$ 1.500,00.
    E aí? O que achou?
    Obrigado por confiar tua dúvida a mim!

    ResponderExcluir
  28. Boa noite, cara este teu blog e o post do CCB me abriram muito a mente. Comprei a menos de 1 mês um 207 Xs Passion Automatico ano 2009 com 79700 Km rodados, assim que peguei o carro senti alguns trancos ao engatar a ré e na troca de algumas marchas, troquei os suportes do motor e atualizei o software do veículo na própria peugeot obtendo uma pequena melhora, hoje verifiquei em uma oficina que o óleo estava muito velho porém o mecanico informou que só usaria o óleo original muito caro e bla bla bla. Ai vem minhas dúvidas, devo fazer uma lavagem completa com o Dexron VI? Devo trocar as solenoides? Devo atualizar a caixa novanente ou apenas zerar o contador de degradação do óleo? Grato

    ResponderExcluir
  29. Prezado Ph,
    Olha, pelo ano do carro e pela quilometragem - que não é alta, diga-se de passagem... - eu trocaria as solenóides e lavaria a transmissão com o fluido DEXRON VI.
    Na ocasião, zeraria o contador de desgaste da AL4 e verificaria se a atualização de software já contemplaria o uso de solenóides BORG WARNER de 100 Hz, pois as tuas ainda devem ser as ACUTEX, de 50 Hz.
    Neste caso, quando da troca das solenóides, já deve ser feita a atualização do software, para o perfeito funcionamento das novas eletroválvulas.
    Considero que um serviço como o mencionado já seja suficiente para deixar a transmissão em perfeitas condições de uso, meu caro.
    Agradeço a você pela confiança e fique à vontade para perguntar.
    Indique, se for possível, o blog aos amigos e familiares.
    Um abraço grande!

    ResponderExcluir
  30. Boa noite. Parabéns pelo post, pena que só li agora, teria feito a substituição do óleo antes. Tenho um C4 exclusive 2011/2011, com 80000 km, e não tem nenhuma avaria, mas vou fazer a substituição do óleo pelo dexron VI. Porém na hora de comprar me deparei com duas marcas, uma semi sintético e a outra sinético (full synthetic)...qual você recomenda? Desde já agradeço e mais uma vez parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opte pelo "full synthetic", eis que se trata de produto superior e que garantirá maior durabilidade a todo o conjunto da transmissão.
      Sempre faço considerações, no entanto, quanto ao fator custo x benefício.
      O DEXRON VI da Mobil, semissintético, tem sido comercializado por preços bem baixos, o que reforça seu aspecto de ótimo custo x benefício. NO entanto, se o amigo encontrar o fluido 100% sintético por um preço pouca coisa maior que o semissintético, fique com o primeiro.
      Um abraço grande e peço que divulgue o blog para os amigos e familiares.

      Excluir
  31. Bom dia! Eduardo, possuo um CITROEN XSARA PICASSO 2.0 16V, Automatic, Gasolina, Ano: 2004. Chegou os 30.000Km, é quando efetuo a troca do óleo. Este teu artigo sobre o AL4 é FANTÁSTICO, SOU FÃ DA CITROEN, mas a MARCA não ajuda mesmo em informação sobre nossos carros. Bom vamos ao que interessa: Dexron VI Full Syntetic é igual ou superior ao Oleo Valvoline Sintetico Maxlife Multi Atf Dexron Mercon 946? atras diz ser compatível com as caixas que usam óleo Molbil (BMW 7045E, ETL8072B, LA2634, LT 71141.) Veja nesse Link: https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-894936228-oleo-valvoline-sintetico-maxlife-multi-atf-dexron-mercon-946-_JM Outra coisa: Tem idéia de quanto cobram pra atualizar minha AL4? Por enquanto Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Reinaldo,
      O MUlti ATF da Valvoline é, na verdade, um DEXRON VI, de modo que não há diferenças substanciais entre esses óleos elencados.
      Veja o que, para você, significa melhor produto e menor custo e use, sem medo, na tua caixa de marcha.
      Garanto que não haverá problema algum com o carro e com a AL4.
      Um abraço grande e obrigado por confiar a mim tuas dúvidas.

      Excluir
    2. Prezado Reinaldo,
      Sobre o custo da atualização de software das caixas AL4, sinceramente não tenho noção, hoje em dia.
      A última vez que um leitor conversou comigo sobre isso, falou em valores da ordem de R$ 300,00 (trezentos reais), o que considero absurdo.
      Mas, sinceramente, acho que uma boa conversa reduz preços...
      Vale à pena tentar.

      Excluir
  32. Eduardo, Boa Tarde!!! Quero tirar uma dúvida, se possível, eu tenho um C4 LONGUE 2014, câmbio AT 6 marchas, o carro está normal, sem problemas, com 60.000 km, assim, gostaria de fazer a troca do leo da transmissão, ai está a dúvida, na concessionária e nas lojas especializadas dizem que só pode ser utilizado o óleo MOBIL 71141, mas devido ao preco ser alto, estou buscando essa informação, se ´possível ou não utilizar outro óleo nessa transmissão. Desde já agradeço a atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado leitor,
      Pode utilizar, sem medo algum, um fluido do tipo DEXRON VI da sua escolha.
      Qualquer fluido DEXRON VI será muito superior ao LT71141.
      Fique tranquilo quanto à informação que estou te passando.
      Um abraço grande e fique à vontade para perguntar!

      Excluir
  33. Boa noite, meu amigo!
    Estou interessado no C4 aut. Quando comprar o carro, posso fazer somente a substituição do fluido ou seria melhor trocar as eletrovalvulas de uma vez? há problemas em trocar o fluido mesmo sem trocar as eletrovalvulas?
    Abs

    ResponderExcluir
  34. Prezado Eduardo, o blog é sensacional e bastante esclarecedor. Meu carro é um excelente Citroen C4 Picasso ano 2009/2010 com 40 mil km, porém a mudança da primeira 1a para 2a marcha, somente quando já está aquecido, às vezes dá umas patinadas e em seguida um tranco. Vc acha possível que a troca do fluido resolva este problema? Obrigado pela ajuda
    Rogerio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado leitor,
      Bom dia!
      Olha, é difícil dizer que vá resolver definitivamente o problema.
      A troca do fluido, por si só, não piora o câmbio.
      Acho que, pelo tempo que o câmbio tem, apesar da pouca quilometragem, a troca seria benéfica sob todos os aspectos.
      Se o problema desaparecer ou ficar menos perceptível, te aconselho a levar o carro a um concessionário Citroen e pedir para que seja verificada a existência de atualizações de software para o teu câmbio automático.
      Normalmente, uma atualização bem feita, com reset geral, deixa a caixa mais rápida nas passagens de marcha e a condução do carro mais econômica.
      O que acha?
      Acho que, pelo carro que é, vale à pena!

      Excluir
  35. excelente matéria, mas gostaria que me tirasse mais uma duvida, vou fazer a troca de oleo do meu c4 pallas aut e estou na duvida entre 3 opçoes do oleo, o primeiro vi recomendado no cc clube que é o ELFMATIC G3 LL que encontrei a um bom preço 30,00 por litro, vi as especificações tecnicas e realmente é muito parecido com a do mobil original, aqui no blog vi a recomendação de usar um dexron 6, encontrei o Valvoline DEXRON ®-VI ATF, um fluido 100% sintetico, mas que na sua ficha tecnica tem valores menores de viscosidade, ponto de fusao e etc, menos que o elfmatic g3 ll, ai fico na duvida de qual usar, uso o dexron 6 sintetico ou o elfmatic g3 com especificaçoes mas parecidas com o oleo original??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado leitor,
      Bom dia!
      Olha, apesar das pequenas diferenças notadas na ficha técnica dos produtos mencionados, aconselho-te a usar o fluido 100% sintético e do tipo DEXRON VI.
      A redução de desgastes promovida por esse fluido é gritante e a resistência do mesmo ao uso chega a ser 100% superior, acaso comparado ao DEXRON III.
      Não hesite!
      Ponha o melhor no teu carro e seja feliz por muito tempo!
      Obrigado por confiar a mim a tua dúvida e ajude a divulgar o blog para os amigos e familiares.
      Eu é que agradeço!

      Excluir
  36. boa noite, otimo texto, rico em informaçoes,obrigado por postar, me responda uma duvida, possuo um peugeot 408,com 127.000 km rodados, nunca troquei o oleo, somente verificaçao de nivel,vc acha que posso fazer a troca do fluido normalmente ? vi em alguns foruns, que o oleo velho ajuda a transmissao, e que se trocar, a mesma vai ter problemas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Pedrinho.
      "o óleo velho ajuda a transmissão"?
      Onde o amigo leu isso?
      Bom, vamos lá: Óleo velho não ajuda máquina alguma, meu caro leitor.
      Se a transmissão AT8 do teu 408 não está apresentando falhas, pode trocar o fluido normalmente.
      Não haverá problemas.
      Opte pelo fluido DEXRON VI que melhor lhe atender na relação custo x benefício e rode mais um monte de quilômetros com teu carro, sem ter quaisquer problemas.
      Obrigado por ter acessado este blog e, se possível, divulgue para o maior número de pessoas.

      Excluir
  37. Amigo, excelente artigo, parabéns! Você presta esse serviço de troca de óleo ou recomenda alguém na região do ABC em SP?
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Marcel,

      Infelizmente, cheguei até a fazer algumas substituições totais de fluido nos câmbios de alguns carros de amigos, mas sou do RJ.
      Não tenho como te ajudar, no caso, mas te aconselho a fazer vários orçamentos antes de efetuar o serviço, OK.
      Não seja pego de surpresa, meu nobre!

      Um abraço grande e obrigado por acessar este espaço. Se puder, peço que o divulgue para parentes e amigos. Obrigado!

      Excluir
  38. Xamã, você saberia informar quais as regras de Lock up para os 207?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite!

      As regras de "lock up" da AL4 são as seguintes:
      1ª marcha: Não há "lock up" do conversor de torque;
      2ª marcha: Pode ocorrer o "lock up", ocasionalmente, em acelerações mais fortes ou em reduções de marcha mais bruscas;
      3ª marcha: há o "lock up" momentos após o engate da marcha;
      4ª marcha: há o "lock up" já quando do engate da marcha.

      Obrigado por acessar este blog. Peço, desde já, que o divulgue para os amigos e parentes. Se restar alguma dúvida, fique à vontade para perguntar.

      Excluir
  39. Amigo tenho um peugeot 207 com 58 mil km rodados acabei de comprar e vi que ele da um pequeno tranco ao reduzir e percebo que nunca foi trocado o óleo do câmbio automático alguém pode me ajudar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite!

      Faça a troca completa do fluido hidráulico do câmbio.
      Siga as dicas que dou no blog e procure uma boa oficina. Faça, antes de tudo, um orçamento, e veja em quanto fica a substituição, para não ser pego de surpresa.
      Quanto ao pequeno tranco, chamo a Vossa atenção para um pequeno detalhe: A AL4 realmente dá um pequenino tranco ao reduzir de 2ª marcha para 1ª marcha, quando freamos o carro.
      É uma característica do câmbio!
      Se o tranco for este, não há nada a temer. Apenas substitua o fluido em função da quilometragem do carro.

      Obrigado por acessar o blog e por confiar tuas dúvidas a mim. Desde já, peço que divulgue este espaço para os amigos e parentes.

      Excluir
  40. Prezado Eduardo

    Primeiramente, obrigado por compartilhar seu conhecimento, que é vasto e muito bem explicado. Você tem o dom ...
    Estou vendo para comprar um Peugeot 207 2009 1.6 16v, com 82 mil km e a atual proprietária me informou que o carro quando está frio tem dificuldades para passar as marchas, e que fica normal quando se desliga e liga novamente o carro. Pesquisei muito antes de chegar ao blog e agora me sinto mais à vontade para discutir o caso com a oficina especializada que consultei sobre o problema, custos, etc. Obrigado, novamente e parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
  41. Bom dia,
    Excelente tópico sobre o cambio AL4. Tenho procurado textos explicativos sobre o mesmo e não achei nada como esse.
    Estou pensando em comprar uma xsara picasso 2008 e gostaria que vc indicasse o que deveria fazer logo de cara quando pegar o carro no que diz respeito a transmissão (manutenção e ou prevenção).

    Abs, fraternos!

    ResponderExcluir
  42. Prezado Eduardo, bom dia.


    Poderia me indicar a oficina que você fez a alteração do trocador de calor? Qual é o código da peça utilizado? Liguei na Renault e me informaram que existem dois modelos (e ai fiquei em dúvida se algum deles poderia ser incompatível).
    Gostaria de saber o mecânico que fez a troca, para que eu possa ir no mesmo, visto que o mecânico que fez meu câmbio tentou me desanimar desta troca.

    Obrigado.

    Att,
    Fabio Laureano

    ResponderExcluir
  43. Prezado Eduardo,

    Outra dúvida, meu C4 foi feito praticamente a manutenção completa (Cintas, borrachas de vedação, Cambio aberto para troca de Oleo e utilizado o DexRon VI). Agora farei o acompanhamento de perto e com 30 mil Km trocarei o óleo novamente. Como você recomenda a troca? Via máquina de flushing, ou então por carter (fazendo as trocas de 3 em 3 litros e rodando, completando com 12 litros) Esse segundo procedimento não vai deixar o óleo contaminado?

    Obrigado pelas respostas e parabéns pelo blog, criei coragem para ter meu C4 AL4 Exclusive, por causa do seu blog.

    Att,
    Fabio Laureano

    ResponderExcluir
  44. posso usar o dexron VI no lugar do dexon III
    pajeroTR 4

    ResponderExcluir
  45. Olá Eduardo, boa noite,

    Parabéns pelo artigo.
    Verifique se pode me orientar... Tenho um Duster, 13/14, 2.0, automático e com 94.000 km. Todas as revisões foram realizadas na concessionária e em nenhuma visualizei troca de fluido da transmissão. É necessário com qual quilometragem? Outro fato é que o carro desde de 2014 apresenta falhas no motor e sempre acende a luz de advertência da injeção no painel. Em seguida o carro fixava falhando e a marcha reduz aos trancos, parecendo ficar numa 3 marcha permanente. Ao ligar e desligar o carrro o sistema volta ao normal. Em junho/16 apresentou o mesmo problema e a concessionária resolveu. Depois de 4 meses voltou novamente. Agora o carro anda em qualquer velocidade e a luz acende e a marcha reduz ou não troca. Ligando e desligando volta ao normal. Deixei hoje o carro novamente na concessionária para verificar. Será que você pode da uma luz. O problema pode ser em algum componente do motor ou é na transmissão?

    Agradeço porcada atenção.

    Eduardo Santos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Novvus, você sabe qual foi o procedimento adotado pela CC, pois o meu Duster esta com os mesmos sintomas do seu. Será que trocaram as eletroválvulas e o óleo?

      Excluir
  46. Prezado Eduardo. Até agora suas informações foram as únicas esclarecedoras a respeito do funcionamento do AL4.
    Tenho um C3 exclusive 2010 e gostaria de saber quem pode fazer a atualização do software desse câmbio. Consultar concessionárias é perda de tempo. Na maioria delas nem sabem do que você está falando. Agradeço desde já qualquer informação. João Schmeling

    ResponderExcluir
  47. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  48. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois de muita pesquisa levei o meu na Oficina do Francês, em Ramos, Rio de Janeiro. Eles tem equipamento para atualização. Infelizmente no meu exclusive 2011/12 não encontrou update para fazer e meu câmbio continua daquele jeito esticando a primeira.

      Excluir
    2. Xavier, Olá, tdb? Essa oficina é bacana. Comprei um C4 Picasso 47 mil km rodados e para ficar tranquilo quero trocar o óleo do câmbio. Lá eles fazem esse procedimento com segurança. Gostaria de usar esse DEXRON VI que o Xamã sugere. Passa contato do Francês em Ramos. Valeu.

      Excluir
    3. A oficina parece boa, bem mais organizada que a média. Fica numa esquina, galpão grande, mas sem placa. O dono entende muito de caixas citroen, renault e peugeot. Pede pra ele vai tirar um pouco de óleo para ver o estado e pra conectar o scanner. No meu, com 40 mil km, valia a pena fazer somente a troca parcial de 4 litros. Não tinha falhas na memória. Se o óleo estivesse muito escuro teria que fazer a troca total. Inacreditável a fábrica informar que o óleo do câmbio não tem troca programada. Acho que fazem isso para teu carro dar problema e tu ter que voltar lá.
      Joga "oficina do frances ramos" na pesquisa, é o primeiro resultado. Fica na R. Aimara, 150.

      Excluir
    4. Xavi, qto ele te cobrou pelo serviço? Grato pela dica.

      Excluir
  49. Eduardo, mister Xamã, acabo de adquirir um C4 Picasso 2011/12, com 47 mil km rodados, você acha que eu devo trocar o óleo do câmbio por este DEXRON VI? Você recomenda uma troca total, usando 9 lts e mais um para nivelar? Vi um vídeo no YouTube em que o autor diz que nem toda a troca é recomendada por conta de limalha que engrossa o óleo e que o câmbio se "acostuma" com o óleo mais grosso e pode até deixar de funcionar... Você é da onde? Gostaria que você fizesse essa troca. Sou do RJ/, capital. Grato. Parabéns pelo texto. Muito esclarecedor.

    ResponderExcluir
  50. Eduardo, lendo suas respostas vi que você é do Rio, capital. Moro na Tijuca. Me chamo Alexandre. Eu comprando o óleo, você não faria essa troca para mim e atualizava o software do câmbio, caso seja necessário? Como disse comprei esse C4 Picasso, 2011/12, 47 mil km, mas nunca tive carro hidramático. Esse será o meu 3° Picasso, mas o primeiro automático. Não quero me decepcionar. E acho que se seguir seu conselho acho que não vou. Grato amigo.

    ResponderExcluir
  51. Xamã, estou descende de Teresópolis, ônibus, nada a fazer além de olhar paisagem, linda por sinal, rs, e lendo o quê? Suas respostas as demandas. Eduardo, você é o cara🎉🖖😉. Fiz uma postagem no Facebook com esse teu texto, quer dizer, replique lá na comunidade C4... Caramba, muitos comentários. A maioria não tinha ideia dessa possibilidade de usar DEXRON VI. Vou ajudar a divulgar seu Blog. Bem, como eu disse, comprei o C4 Picasso, 2011/12, acho que já vem com Al4 melhorado. Tem 47 mil rodados, o que você recomenda para vida longa e confortável a esse câmbio? Se voce puder, gostaria que você fizesse o processamento. Depois que a gente ler texto tão bem escrito e denso, fica complicado acreditar em pião, analfabeto, cantando de galo.😏

    ResponderExcluir
  52. Prezado Eduardo, parabéns pelo seu blog mto esclarecedor,tenho um 207 com 45k, estou me inteirando para trocar o fluido da AL4,tenho uma dúvida, ao trocar o fluido se n fizer o reset do contador de desgaste qual será a consequência? Abcao

    ResponderExcluir
  53. Grande Eduardo, boa noite! O óleo para a caixa automática AL4 do Peugeot 206 1.6 16V ano/modelo 2007/08 seria este: 60414213
    Fluido Oleo Cambio Automático Atf Dexron Vi 6 Mobil?

    Porque o vendedor disse que este não é indicado, apenas o atf.

    O anúncio é este, disse que o câmbio pega 8 litros na troca: https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-912204236-fluido-oleo-cambio-automatico-atf-dexron-vi-6-mobil-5-litros-_JM

    Tenho medo de comprar e não servir. Se puder me ajudar, agradeço demais! Valew!!!

    ResponderExcluir
  54. Ola estou comprando um Scenic privilege 2007 da certo trocar o óleo pelo dexron6, e trocar as solenóides e atualização do software, ele esta com 180 mil km. Obrigado Paulo Ribeiro.

    ResponderExcluir
  55. Eduardo!
    Cara depois de 4 anos com meu 307 2 trocas de fluido do cambio, acho que minha caixa morreu, deram o laudo que seria reparo completo ficou 5,5K, ai eu pensei que é melhor comprar outra, encontrei uma que era de um carro 2015, 2K, em boas condições.
    eu queria saber mesmo sobre aquela peça que vc colocou no c4 para troca de calor, como faço pra adquirir uma?

    ResponderExcluir
  56. Pessoal, passando por aqui para informar que fiz esse procedimento de troca de óleo al4 via flushing aqui em SP, na brasicar da piraporinha. Coloquei óleo Peak synthetic multi atf dexron vi/mercon lv. O carro mudou da água pro vinho. Peguei o carro com 60 mil e já está com 83.000. Tenho certeza que vai rodar bastante agora pois realmente deu uma diferença absurda na troca de marchas, parece faça quente na manteiga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alterou alguma coisa no consumo? Tô falido com esse carro fazendo 8,5 na cidade. o pior que o meu é 2005: Só gasosa! Meu Câmbio não apresenta problema mais há uns 6 meses pelo menos. O defeito sumiu do nada. Troquei a bomba de gasolina que morreu, não consigo entender a relação.

      Excluir
  57. Bom dia!Vou ressuscitar uma AL4 de um Xsara N7, ano 2001. Estou comprando uma caixa revisada na Excelence. Posso usar o óleo Mobil, Dexron VI? Eu li as suas explanações sobre o óleo, mas os carros citados no artigo são mais novos, por isso a pergunta. Alguma dica a mais? Meu nome é Giovane e estou em BH. Obrigado!

    ResponderExcluir
  58. Amigo xamã meu câmbio já está atualizado e também foi feito a caixa al4 mas vou trocar as solenoides por as de 100 hertz mesmo assim preciso calibrar as mesmas?

    ResponderExcluir
  59. Olá amigo tudo bem? Eu tenho um peugeot 408 2011/2012. Estou com 138mil km, com 112mil ele deu problema no câmbio, troquei óleo e solenoide, mas agora voltou o problema, rodei apenas 26mil km. Agora o mesmo mecânico quer me cobrar 5mil para o reparo. Isso é normal? Dar esse problema novamente em tão pouco tempo? O que pode ser feito para acabar com esses reparos tão caros em curto prazo?

    ResponderExcluir
  60. Bom Dia, Amigo!

    Tenho um 307 Rally 1.6 2002/2002 manual, ultimamente ao sair com o ar condicionado ligado o carro simplesmente perde as forças, vc pode pisar no acelerador até o final e ele não desenvolve, as vezes até chega a morrer, ja levei em duas oficinas e dizem não saber o problema, pois no scaner não da nada, o que poderia ser ? Achei ser Boniba de ignição mas esta ok.

    ResponderExcluir
  61. continuando....este problema percebi acontece com a rotacao abaixo dos 1500 giros, após ele acelara de forma normal e segue sem apresentar esta perda de potencia, so parando ou abaixo das 1500rpm ele apresenta.

    ResponderExcluir
  62. Caro Xamã....
    Tenho um Xsara Picasso 2.0 16v.
    O câmbio apresentava fuga de pressão.
    Então, meu mecânico efetuou a troca das solenóides,limpeza do corpo de válvulas troca dos anéis da tampa lateral e troca do óleo.
    Conforme a recomendação do blog, efetuei a compra de um Óleo Dexrom 6 sintético. Apos rodar uma quadra, percebemos que o cambio estava extremamente quente, de tal forma que não era possível encostar. Agora estamos sem saber o que fazer. Será isso por causa do oleó ou outra coisa? Também não foi feito o reset da central. Por favor, poderiam me ajudar?

    ResponderExcluir
  63. Boa tarde, vc tem algumm comentario a respeito do Valvoline dexron VI full Synthetic ? será que serve tb ?

    ResponderExcluir
  64. Bom dia Blogueiros...
    Então, no meu 408 quando ligo ele fica com a aceleração normal e quando a temperatura sobe pouco ele começa a falhar e quando acelero ele corta o giro em torno de 1.500 giros e no display aparece a seguinte mensagem "Defeito no Motor Parar veículo", acende a luz de injeção, de freio e de stop escrito no painel. Eu desligo, ligo novamente mantendo o giro acima de 2.500 giros, ele funciona normal, porém sai uma fumaça branca na descarga com cheiro de catalizador.
    E aí Xamã, alguma idéia do que possa estar acontecendo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Noite...
      Resolvi esse problema da seguinte forma:
      1) Limpei as velas
      2) Limpei o CDI
      3) retirei o coletor de admissão e Lavei com desengraxante, água e gasolina.

      Observei q as velas estavam melecadas de óleo, me assustei achando q o motor estava queimando óleo, pois como falei no post anterior, saia muita fumaça quando acelerava.
      Gracas a Deues era só óleo q o motor aspirou daquela mangueira que vem da tampa de válvula e entra na admissão, substitui essa tampa e o motor ficou 100%...
      Sem fumaça, sem ratear e sem mensagem de "Defeito no Motor"

      Excluir
  65. Boa noite
    sabe me dizer qual fluído usar para a direção hidráulica do citroën xsara Picasso 2008?

    ResponderExcluir
  66. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  67. 1


    Minhas cordiais saudações. Comprei recentemente um Sandero Stepway 13/14 Oe gostaria de saber se o óleo tutela multi att 500 dexron VI, pode substituir o Mobil dexron VI?

    ResponderExcluir
  68. Bom dia acabei de comprar um sandero privilege 2011 2012 automático estou com algumas dúvidas sobre o câmbio o carro está com 83.000km e está bem conservado então gostaria de saber se o cambio é bom se posso focar despreocupado quantos litros de óleo pega na caixa e qual óleo adequado e se pode ser feita a troca sem ser na máquina. Desde já agradeço a atenção.

    ResponderExcluir
  69. Parabéns pelos esclarecimentos prestados. Tenho um 308 90km e pretendo fazer a troca do óleo do câmbio. Vi anúncios oferecendo o filtro de óleo do câmbio, não vi ninguém comentar a respeito desse filtro. Devo trocar junto com o óleo? Obrigado

    ResponderExcluir